Frete Grátis - Veja as regras
41 lojas físicas desde 1958
Até 3X sem juros no cartão
Enviamos para todo o Brasil
Compra segura 100% protegida
Soro Glicosado 5% Sanobiol 1000ml
Soro Glicosado 5% Sanobiol 1000ml

Soro Glicosado 5% Sanobiol 1000ml

Código: 93825
|
Outros: Sanobiol
Estoque: Indisponível
Ops!
Esse produto encontra-se indisponível.
Deixe seu e-mail que avisaremos quando chegar.
Calculando frete e prazo
Calcule o frete

Comprar Soro Glicosado 5% Sanobiol 1000ml com melhor preço e entrega em todo o Brasil. Conheça todas as apresentações de Solução

Frete Grátis
veja as regras
41 Lojas Físicas
desde 1958
Até 3X sem juros
a partir de R$100,00
PRATA
Loja Prata E-bit
eleita pelos consumidores

Para que serve Solução Glicofisiológica - Sanobiol

É indicada nos casos de desidratação, pós-operatório, intoxicação, queimaduras, vômitos, diarréias, medicação antitóxica e diuréticas, fonte calórica e veículo de medicamentos injetáveis.

Como o Solução Glicofisiológica - Sanobiol funciona?


A Solução de glicose 5% em cloreto de sódio 0,9% é uma solução de substituição de eletrólitos e/ou glicose em solução estéril administrada por via intravenosa.

A solução glicofisiológica (glicose 5% em solução de cloreto de sódio 0,9%) é usada como renovadora de líquidos, eletrólitos e calorias do organismo.

O sódio é o principal cátion e o cloreto o principal ânion do fluido extracelular. Os níveis de sódio normalmente determinam o volume do fluido extracelular e o sódio é um importante regulador da osmolaridade, do equilíbrio ácido-base e auxilia na estabilização do potencial de membrana das células. Os íons de sódio circulam através da membrana celular por meio de vários mecanismos de transporte, dentre eles a bomba de sódio (Na – K – ATPase). O sódio também desempenha importante papel na neurotransmissão, na eletrofisiologia cardíaca e no mecanismo renal.

A glicose é uma parte necessária no regime de terapia intravenosa quando o fornecimento de energia é exigido. A glicose é um substrato natural diretamente utilizado por todo o corpo e tecidos, sendo essencial para o fornecimento de energia para o cérebro, os nervos periféricos, as células vermelhas do sangue, da medula óssea e da medula renal.

A glicose, graças a sua rápida metabolização, fornece ao organismo uma quantidade de energia em curto espaço de tempo. Por ser uma solução isotônica em relação aos líquidos orgânicos, ela irá repor água, cloreto e sódio quando estes estiverem em concentrações abaixo do normal.

Como Usar Solução Glicofisiológica - Sanobiol

Frascos

Para preparo e administração das Soluções Parenterais (SPGV)

  1. Essa linha possui três sítios idênticos e independentes, que podem ser utilizados tanto para aditivação de medicamento, aspiração da solução como para conexão do equipo.
  2. Há um lacre de segurança que protegem os três sítios que precisa ser removido. Remover o lacre somente no momento do uso.
  3. Colocar o frasco sobre a bancada.
  4. Fazer a assepsia da embalagem primária utilizando álcool 70%.
  5. Segurar a embalagem com firmeza e romper o lacre de segurança, através de uma rotação sentido horário.
  6. Após a remoção do lacre, há um disco de elastômero protetor que sela o contato da solução com o ambiente externo.
  7. Escolha um dos sítios e introduza o equipo (consultar as instruções de uso do equipo com o fabricante) no elastômero até conectá-lo até o segundo degrau ou totalmente. A conexão resultante deve ser firme e segura.
  8. Durante a introdução do equipo, a pinça rolete e a entrada de ar com filtro, se houver, devem estar fechadas.
  9. Ajustar o nível da solução na câmara gotejadora e realizar o preenchimento do equipo de modo a retirar todo o ar do sistema antes de conectar ao cliente.
  10. Administrar a solução por gotejamento conforme prescrição médica.

Para adição de medicamentos

Para administração de medicamentos antes da administração da solução parenteral

  1. Escolha um dos sítios e o prepare para aditivação de medicamento fazendo sua assepsia.
  2. Utilizar uma seringa com agulha estéril para perfurar o sítio e adicionar o medicamento na solução parenteral.
  3. Misturar o medicamento completamente na solução parenteral para promover a homogeneização.
  4. Prosseguir a administração da solução conforme prescrição médica.

Para administração de medicamentos durante a administração da solução parenteral:

  1. Fechar a pinça do equipo de infusão.
  2. Preparar o sítio escolhido para administração de medicamentos, fazendo sua assepsia.
  3. Utilizar seringa com agulha estéril para perfurar o sítio e adicionar o medicamento na solução parenteral (inserir e retirar a agulha verticalmente).
  4. Misturar o medicamento completamente na solução parenteral.
  5. Prosseguir a administração. 6- Caso for necessário à retirada de solução, pode ser utilizado o terceiro sítio, conforme figura abaixo.

Recomenda-se a utilização de equipos de infusão e agulhas de calibres em conformidade com a norma NBR e normas técnicas nacionais e internacionais vigentes.

O uso de equipo e agulhas que não atendam as normas vigentes deverá ser avaliado e é de responsabilidade do usuário, pois existe o risco de fragmentação do elastômero e/ou geração de partículas.

Bolsas

Para preparo e administração das Soluções Parenterais (SPGV)

  1. Fazer a assepsia da embalagem primária utilizando álcool 70%.
  2. Apóie a base da bolsa em uma bancada.
  3. Conectar o equipo de infusão da solução. Consultar as instruções de uso do equipo.
  4. Administrar a solução, por gotejamento contínuo, conforme prescrição médica.
  5. Para adição de medicamentos.

Atenção: Verificar se há incompatibilidade entre o medicamento e a solução e, quando for o caso, se há incompatibilidade entre os medicamentos.

Para administração de medicamentos antes da administração da solução parenteral

  1. Preparar o sítio de injeção fazendo sua assepsia.
  2. Utilizar uma seringa com agulha 0,8 mm estéril para perfurar o sítio próprio para administração de medicamentos e injetar o medicamento na solução parenteral.
  3. Misturar o medicamento completamente na solução parenteral.
  4. Pós liofilizados devem ser reconstituídos/suspendidos no diluente estéril e apirogênico adequado antes de ser adicionados à solução parenteral.

Para administração de medicamentos durante a administração da solução parenteral

  1. Fechar a pinça do equipo de infusão.
  2. Preparar o sítio próprio para administração de medicamentos, fazendo sua assepsia.
  3. Utilizar seringa com agulha 0,8 mm estéril para perfurar o sítio e adicionar o medicamento na solução parenteral.
  4. Misturar o medicamento completamente na solução parenteral.
  5. Prosseguir a administração.

Observação: Se houver necessidade da utilização de agulhas com diâmetro superior a 0,8 mm, realizar inspeção da solução antes do uso.

Exclusivo Frascos

Instruções importantes para a manipulação das embalagens em sistema fechado de infusão

A solução somente deve ter uso intravenoso e individualizado. Antes de serem administradas, as soluções parenterais devem ser inspecionadas visualmente para se observar a presença de partículas, turvação na solução, fissuras e quaisquer violações na embalagem primária. A solução é acondicionada em frascos em sistema fechado para administração intravenosa usando equipo estéril.

Atenção: não usar embalagens primárias em conexões em série. Tal procedimento pode causar embolia gasosa devido ao ar residual aspirado da primeira embalagem antes que a administração de fluido da segunda embalagem seja completada.

Para abrir

Verificar se existem vazamentos mínimos comprimindo a embalagem primária com firmeza.

Se for observado vazamento de solução, descartar a embalagem, pois a sua esterilidade pode estar comprometida. Se for necessária medicação suplementar, seguir as instruções descritas a seguir antes de preparar a solução para administração.

No preparo e administração das Soluções Parenterais (SP), devem ser seguidas as recomendações da Comissão de Controle de Infecção em Serviços de Saúde quanto a:
  • Desinfecção do ambiente e de superfícies, higienização das mãos, uso de EPIs e;
  • Desinfecção de frascos, pontos de adição dos medicamentos e conexões das linhas de infusão.

Exclusivo Bolsas

A Solução somente deve ter uso intravenoso e individualizado. A dosagem deve ser determinada por um médico e é dependente da idade, do peso, das condições clínicas do paciente, do medicamento diluído em solução e das determinações em laboratório.

Antes de serem administradas as soluções parenterais devem ser inspecionadas visualmente para se observar a presença de partículas, turvação na solução, fissuras e quaisquer violações na embalagem primária.

A Solução é acondicionada em bolsas em sistema fechado para administração intravenosa usando equipo estéril.

Atenção: não usar embalagens primárias em conexões em série. Tal procedimento pode causar embolia gasosa devido ao ar residual aspirado da primeira embalagem antes que a administração de fluido da segunda embalagem seja completada. 

Dependendo do equipo que esta sendo utilizado, torna-se imprescindível a necessidade de uma avaliação no momento da conexão quanto à necessidade de introduzir toda a lanceta do equipo até o segundo degrau no sítio de conexão, desta maneira não haverá extravasamento da solução.

Para abrir

Verificar se existem vazamentos mínimos comprimindo a embalagem primária com firmeza. Se for observado vazamento de solução descartar a embalagem, pois a sua esterilidade pode estar comprometida.

Se for necessária medicação suplementar, seguir as instruções descritas a seguir antes de preparar a solução Glicofisiológica para administração.

No preparo e administração das Soluções Parenterais (SP), devem ser seguidas recomendações da Comissão de Controle de Infecção em Serviços de Saúde quanto a: desinfecção do ambiente e de superfícies, higienização das mãos, uso de EPI`s e desinfecção de bolsas, pontos de adição dos medicamentos e conexões das linhas de infusão.

Posologia do Solução Glicofisiológica - Sanobiol


O preparo e administração da solução parenteral deve obedecer à prescrição, precedida de criteriosa avaliação, pelo farmacêutico, da compatibilidade físico-química e de interações medicamentosas que possam ocorrer entre os seus componentes. A dose de glicose é variável e dependente das necessidades do paciente. As concentrações de glicose no plasma devem ser monitoradas.

A taxa máxima que pode ser infundida sem causar glicosúria é 0,5g/kg de peso corporal/hora. No entanto, o ideal é que a solução de glicose intravenosa seja fornecida em uma taxa de aproximadamente 6 a 7mg/kg/minuto. A dose e a taxa de infusão intravenosa de solução glicofisiológica devem ser selecionadas com cuidado em pacientes pediátricos, particularmente os neonatos e nas crianças com baixo peso ao nascer, porque aumenta o risco de hiperglicemia/ hipoglicemia.

A solução glicofisiológica pode ser administrada em pacientes diabéticos, mesmo em coma, porém, é fundamental o controle adequado da Cetose e, se necessário, deve-se recorrer à administração de insulina. A avaliação clínica e as determinações laboratoriais periódicas são necessárias para monitorar mudanças em concentrações da glicose e do eletrólito do sangue, e o balanço do líquido e de eletrólitos durante a terapia parenteral prolongada ou sempre que a condição do paciente permitir tal avaliação.

O que devo fazer quando eu me esquecer de usar o Solução Glicofisiológica - Sanobiol?


Contraindicação de Solução Glicofisiológica - Sanobiol

Acidose, Diabetes mellitus, hipernatremia e hipercloremia, distúrbios pósoperatórios do metabolismo da glicose, desidratação hipertônica, hipocalemia, hiperhidratação e anemia.

Soluções contendo glicose são contraindicadas para pacientes com Diabetes mellitus ou intolerância à glicose.

Precauções

Deve-se considerar para fins de administração, dados clínicos e laboratoriais, como níveis glicêmicos e glicosúria. Outro aspecto refere-se à suspensão abrupta de tratamentos prolongados, condição em que se elevam os níveis de insulina circulante, podendo desencadear uma hipoglicemia momentânea pós-suspensão. Deve-se ter cuidado também com a administração prolongada ou a infusão rápida de grandes volumes de soluções isosmóticas, devido à possível ocorrência de edema pulmonar, hipopotassemia, hiperhidratação e intoxicação hídrica, ocasionados pelo aumento do volume do líquido extracelular.

O acompanhamento freqüente de concentrações de glicose, de eletrólitos (particularmente de potássio) no plasma se faz necessário antes, durante e após a administração da solução de glicose. A solução glicofisiológica não deve ser usada como diluente para o sangue, porque causa aglutinação dos eritrócitos e, provavelmente, hemólise. As soluções de glicose sem eletrólitos não devem ser administradas de forma simultânea a transfusões de sangue, devido a possibilidade de coagulação.

O acompanhamento freqüente de concentrações de glicose no plasma é necessário quando a glicose intravenosa é administrada em pacientes pediátricos, particularmente nos neonatos e nas crianças com baixo peso ao nascer, devido ao risco aumentado de hiperglicemia/hipoglicemia. A administração excessiva ou rápida da solução de glicose neste tipo de paciente pode causar aumento da osmolaridade do soro e uma possível hemorragia intracerebral.

Agir com precaução no fornecimento de carboidratos na presença de acidose por lactato, e também nos pacientes com hipervolemia, insuficiência renal, obstrução do intervalo urinário ou descompensação cardíaca eminente. As soluções injetáveis com glicose devem ser usadas com cuidado em pacientes com diabetes mellitus subclínica ou evidente, ou com intolerância a carboidratos, bem como em lactentes de mães diabéticas.

O uso de soluções com glicose deve ser administrado com cautela em pacientes diabéticos, pois uma infusão rápida pode causar hiperglicemia, assim como em pacientes mal nutridos com deficiência de tiamina, intolerância a carboidratos, septicemia. A administração intravenosa da glicose aos pacientes com deficiência de tiamina e outras vitaminas do complexo B pode levar ao desenvolvimento de encefalopatia de Wernicke.

Uso pediátrico, idosos e outros grupos de risco

Um estudo placebo-controlado realizado em mulheres saudáveis, que se encontrava em estágio final de gestação, verificou que a administração de 100g de glicose uma hora antes do fim da gestação não provocou nenhum efeito adverso nos níveis ácido-base do feto. Os fetos com má formação foram excluídos. Entretanto, os autores advertiram que, em concentrações de glicose mais elevadas na gestante (como pode ser encontrado em grávidas diabéticas), mudanças consistentes na acidose metabólica fetal podem ocorrer, e que o teste da tolerância da glicose pode também ser perigoso aos fetos com retardo no crescimento.

O cuidado deve ser exercitado no tratamento dos neonatos, especialmente os neonatos precoces, cuja função renal pode estar imatura e cuja habilidade de excretar cargas do líquido e do soluto pode estar limitada. No geral, a seleção da dose para um paciente idoso deverá ser mais criteriosa. Sabe-se que estas drogas são excretadas substancialmente pelos rins, e o risco de reações tóxicas das soluções de glicose pode ser maior nos pacientes com função renal comprometida. Os pacientes idosos possuem maior possibilidade de ter a função renal diminuída, por isso, cuidado deve ser tomado na seleção da dose, e pode ser útil monitorar a função renal.

Composição

Cada mL da solução injetável contém:

Cloreto de sódio

9 mg

Glicose anidra

50 mg

Excipientes*q.s.p

1 mL

*Água para injetáveis.

Conteúdo Eletrolítico

154 mEq/L

154 mEq/L

Osmolaridade

585,54 mOsm/L

pH

3,2 – 6,5

Conteúdo calórico

200 kcal/L

Apresentação do Solução Glicofisiológica - Sanobiol


Frascos

  • Embalagens contendo 40 frascos de 250 mL de solução injetável.
  • Embalagens contendo 20 frascos de 500 mL de solução injetável.
  • Embalagens contendo 12 frascos de 1000 mL de solução injetável.

Bolsas

  • Embalagens contendo 40 bolsas de 250 mL de solução injetável.
  • Embalagens contendo 20 bolsas de 500 mL de solução injetável.
  • Embalagens contendo 12 bolsas de 1000 mL de solução injetável.

Superdosagem

A infusão de grandes volumes da solução de glicose pode causar hipervolemia, resultando em diluições eletrolíticas do soro, estados congestivos e edemas pulmonares. A infusão muito rápida de glicose pode ocasionar distúrbios neurológicos como depressão e coma, devido aos fenômenos de hiperosmolaridade, principalmente em portadores de nefropatias crônicas. Nestes casos, instalar uma terapia de apoio, conforme as necessidades.

Nas doses usuais indicadas pelo médico, não há relatos de superdosagem, exceto em pacientes diabéticos com intolerância à glicose.

Num evento de sobrecarga de fluidos ou solutos durante a terapia parenteral, reavalie as condições do paciente e institua o tratamento corretivo apropriado. Em pacientes com aumento moderado nos níveis de sódio, ofertar água via oral e restringir a ingestão de sódio.

Mais informações

Código do produto: 93825
Marca: Sanobiol
EAN: 7898153652237
Tipo de Medicamento: Específico
Registro MS: 1013900110098
Classe Terapêutica: Soluções de Cloreto Sódio Com Carbohidrato
Princípio Ativo: Glicose + Cloreto de Sódio
Se persistirem os sintomas o médico deverá ser consultado. Solução Glicofisiológica - Sanobiol é um medicamento. Seu uso pode trazer riscos. Procure o médico e o farmacêutico. Leia a bula
Opiniões sobre o produto
Dê sua opinião sobre este produto
Escolha uma nota:
A sua avaliação passará por uma aprovação antes de ser publicada.
1